Depois disso, até me deu vontade de fazer de novo o Enem. Enem que a vaca tussa.

Não somos perfeitos. Vivemos de dias ruins e outros, em que a felicidade – os tais dos suspiros e sorrisos – surge e não cessa. Meu grande defeito é querer ficar leve, livre e solta sempre, desconsiderando, com isso, que sou humana e mereço meus momentos mais difíceis. Mereço ficar de mal com o mundo e não me julgar internamente por isso. Mereço ter um lado feio e não ignorá-lo. Esse século e seus “avanços” fizeram uma baita maldade com a gente, perceba, porque nos acostumamos a pensar que essas cores mais escuras e densas são somente nossas e por isso causam tanta estranheza.

Afinal, o que nós vemos em todas as aparições virtuais de nossos conhecidos? Amarelo, rosa, vermelho, roxo… O verde musgo não aparece nem que a vaca tussa. Até mesmo o catarro da vaca é um lilás bem feliz. A realidade não é essa, meu caro. E me soa até bobeira ter que comentar, mas tanta gente parece realmente não saber que sinto-me confusa. Até quando nos esqueceremos que somos únicos, sim, mas não tanto? Há um grande conjunto interseção, lá estão todas as cores dispostas das mais variadas formas. Existe, sem dúvida, uma cópia até mesmo daquele seu lápis prateado-triangular-maravilhoso-com-borracha-na-ponta.

Sendo assim, vim atestar que não sou perfeita e me lembrar disso. Deixo as roupas jogadas pelo quarto, grito com as pessoas erradas e sinto um mau humor terrível quando fico inquieta. Toco violão mesmo sabendo que o vizinho pode reclamar, não suporto a prisão em que me noto as vezes e sei que sou culpada por todos os pensamentos negativos que minha membrana mental deixa passar. Meu verde musgo me faz imperfeita, mas eu juro que tento melhorar. Juro que tento reservar esses dias para os de estresse mais profundo. Tento sentir-me dessa forma apenas quando é isso ou um buraco ainda mais embaixo.

Sim, porque mesmo sendo da nossa natureza, a vida é tão curta que acaba sendo uma desvantagem deixar o arco íris ficar tão escuro. A claridade te faz enxergar melhor, então, as cores mais suaves te ajudam a ver detalhes que o musgo jamais te permitiria. Queira ver os detalhes. Não tem a mínima graça passar e não perceber os sorrisos, os olhares e as gentilezas. Não tem a mínima graça não ouvir as risadas mais sinceras e os suspiros inesperados.

Faz parte de não ser perfeita o tal do “tentar melhorar”. É impossível chegar lá, mas por que não tentar o seu máximo? A vida é como uma prova do ENEM. Acerte tudo e não tirará mil, mas que beleza é essa de gabaritar, hein? Atesto então, que hoje foi um dia complicado. O musgo ganhou, mas já começo sentir a claridade da nova manhã – junto com um rosa bebê e um amarelo girassol – me mostrando que pelo menos um texto novo eu já fiz. Um detalhe por passo, um passo por vez,  não só dessa vez.

Advertisements

Pessoas são tudo.

As pessoas são como confissões. Algumas nós deixamos coladas à nós, como se seu dever fosse ficar guardadas eternamente em nossos peitos e almas. Outras, nós jogamos ao vento. Em um tom sincero, ou as vezes com uma certa indiferença, simplesmente falamos mesmo que não tenha ninguém para ouvir. Abrimos mão, sem nem perceber.

Pessoas são segredos. As  vezes, compartilhados. As vezes, desgastados. A prisão de se sentir ligado a alguém independente do tempo – e das circunstâncias – é exatamente como se sentir culpado por saber – e ter que guardar – algo que todos deveriam saber, e não sabem. Entretanto, nem sempre a vontade é de espalhar. Sinto-me honrada por ser na maior parte do tempo uma boa ouvinte, um baú que de tudo um pouco sabe, e é exatamente assim que descrevo minha amizade com a maioria dos que pertencem à minha vida há anos.

Pessoas são apenas pessoas, mas são muito mais do que isso. Elas são pessoais. Quando entram em suas vidas, trazem alegria e sentimentos novos. Aquele arrepio, as vezes aquele calor que é tão bem vindo no inverno, aquele cheirinho novo de carros e livros. Como é bom conhecer gente nova, exatamente porque nada consegue se comparar com uma novidade em meio à rotina.

Entretanto, como toda tristeza nasce de uma pequena felicidade, quando elas saem podem levar tudo que trouxeram e ainda mais: o que plantaram no tempo que ficaram dentro de ti. De repente, o buraco. O vazio. De repente, a claridade de um quarto vazio e com paredes brancas anteriormente ocupadas com quadros chamados carinhosamente de memórias. Sobra o suspiro, a compreensão de entender que a vida é um ciclo e o ser humano é um ser de mudanças. É um ser agitado. É um ser mortal à esse mundo. 70, 80 anos de alguém na sua vida e pode ter certeza que ele partirá, afinal, nós não somos gaiolas para trancafiar ninguém. Eles voam para outras dimensões, geralmente visitando-nos em fotos e recordações, mas nunca retrocedendo. Eles não voltam atrás em suas idas, ninguém deveria.

Pessoas são como palavras. Ditas, guardadas, lançadas como flechas ou como remédio em feridas impossíveis de serem curadas.

Guardo, como um poema ditado com excelência e encanto, minha inspiração para esse texto. Alguém que tinha sempre um olhar que mais parecia um dicionário, uma enciclopédia, mas que não falava demais nunca. Uma bisa, vó, mãe, uma mulher que saiu de um lugar, foi para outro e no fim acabou por deixar um pouco de si com cada um que tenha cruzado seu caminho.

Eu te amo. Te amei. Sempre vou te amar. Bença, bisa.