Acorda logo, vai.

Eu sei. Vai parecer loucura, sono, besteiras de uma garota intensa e inquieta. Mas a verdade é que cada vez que eu me perco aqui dentro, ou seja, vivo meus dramas e meus reais conflitos, a sensação que surge é que eu nunca mais vou conseguir voltar ao estágio em que estava no começo da confusão. Aliás, até te conhecer, eu realmente cumpria bem o papel de fugitiva que só volta quando se reinventa e se sente segura de novo.

Mas as coisas mudaram. Eu te conheci, e como um especialista em mim, você me encarava como um quebra-cabeça fácil, e divertido, de resolver. Eu não me sinto pesada, complicada demais ou sem graça de ser eu mesma do seu lado. Você pode até ter dias ruins, mas eu não me importo. Eu sei que depois de algumas voltas no quarteirão a gente vai conseguir se achar, sabe? Você vai lembrar o que te faz enxergar algo que dê coerência ao meu conjunto. Você vai me manter aqui. Com você. Em casa.

Home is wherever i’m with you.

Eu sei, nem eu, nem você, acreditamos em outras vidas. Mas se eu pudesse escolher algo surreal, diria que essa não é a primeira vez que nos encontramos. Diria que essa não é a primeira vez que nos amamos. E mais: não digo isso da boca pra fora. Digo porque sempre que eu estou quase perdendo as esperanças, quase me convencendo de que a mágica acabou e até você me acha uma mimada confusa, você fala exatamente o que o meu coração estava esperando. Nem sempre algo que eu queria conscientemente ouvir, mas certamente o timing e a necessidade falam mais alto: seu amor me faz amadurecer sem reais dores.

Don’t be afraid to care.

Eu te prometo, amor. Nada é em vão. Nenhuma das nossas brigas, lágrimas ou dúvidas. Nem mesmo esse texto, nem mesmo mensagens carinhosas para você começar o dia bem. Nada é em vão. Sentir esse fluxo tão intenso de carinho, companheirismo, paixão, proteção, segurança, necessidade de estar perto, saudade, admiração, sentir esse amor tão forte por você nunca vai ser só mais um capítulo de uma juventude apaixonada.

Eu te amo para sempre. E por mais difícil que seja me aguentar até eu te tirar desse pragmatismo e status defensivo, eu juro que não tem garota que se proponha a te cuidar, admirar e beijar mais do que essa aqui quando se aquieta dentro do seu coração e se sente em casa.

Nós somos diferentes, sem dúvidas disso. Acho que nossas diferenças são tão grandes que acabamos por traze-las de outras vidas, e por mais que você ache ruim, eu acho adorável. Acho que não tem nada mais engraçado do que ver que, ao contrário de mim, você prefere ficar dentro do quarto quando ouve algum barulho lá fora. Prefere voltar a dormir, prefere não enfrentar o medo. Se conseguir voltar a dormir, é contigo mesmo. Eu, por outro lado, já vou logo ligando a luz e me preparando pro pior. Abro a porta com o coração na boca e ando a casa inteirinha. Se tiver que rolar, que role comigo preparadíssima. Isso me faz rir. Lembrar do quanto você fica simplesmente perfeito quando tem medo de algo e me abraça, e admite que não gosta de coisas pesadas antes de dormir – exatamente como eu.

E é esse o ponto em que eu quero focar: nossas semelhanças. Que, sim, eu também acho que não são cabíveis apenas nessa vida. Nós trouxemos nossa vontade de descobrir o mundo com nossos 5 sentidos, e nossa capacidade de amar e sonhar plenamente. Nós trouxemos nosso horror ao tédio, mas nosso apego à simplicidade. Nós trouxemos nosso riso fácil, nosso sangue fervente, nossos detalhes, nossas fragilidades.

Eu sinto, sabe? Nossas almas se encaixando como uma só sempre que você fala exatamente o que meu coração aceita como o certo. Nossos olhares enxergando até a alma, um do outro, e nosso abraço segurando muito mais do que dois corpos. Eu sinto que, independente do que nós fomos/somos em outra dimensão, nunca deixei ou deixarei de te olhar como se você fosse a charada mais gostosa de decifrar de uma forma diferente todos os dias. Um enigma completo, perfeito e feito sob medida pro meu coração.

Eu imagino, sabe? Me perco nos meus próprios sonhos, mas imagino incansáveis vezes: eu e você, em diferentes corpos, nos amando e esbarrando. Nossos olhares. Nossas mãos se encaixando. Histórias complicadas ou fáceis, nunca sem sal, nunca incompletas. Está no DNA do nosso amor:gostamos do que é bem resolvido. Gostamos do que podemos cuidar inteiramente, completamente.

Então, desculpa, mas entende uma coisa: a gente briga, eu te descabelo, eu te irrito. Mas eu te amo, e só te descabelo porque eu te amo. E as vezes, admito, eu me pergunto porque insistir se claramente eu te atrapalho tanto com as minhas questões, se as vezes a vida ou a correria me faz sentir como se fosse um serzinho inconveniente. Só que aí, amor, você basicamente respira fundo e, do nada, fala exatamente o que eu estava esperando desde o começo. Ou seja, você finalmente se deixa ser o garoto criativo e sensível que me ama e me cuida.

E óbvio, eu não sou santa. Eu sou uma pentelha, muitas vezes, mas nunca de uma forma leviana. Eu sou jovem, impulsiva e com uma quedinha pelo drama. Eu odeio o seu pragmatismo quando eu preciso de atenção, mas eu sinceramente não quero ser egoísta. Não quero, e serei cada vez menos. Eu prometo. Eu prometo de verdade. Nada é em vão, e um dia a gente vai entender que nunca andou pra trás. Que sempre avançamos e chegamos sim em algum lugar. Chegamos lá, onde a gente sem dúvidas vai sentir a calmaria de se pertencer e finalmente se colocar pra dormir todos os dias, com risadas, com carinho, com amor.

E até lá, eu juro, só preciso que você não perca a paciência comigo. Só preciso que você não se esqueça do óbvio: nosso amor é tão forte e incrível, que nem mesmo só de uma vida ele deve ser. (Só preciso que não vire e durma sem me abraçar como fez da última vez) Só preciso que cuide do que sente por mim. Porque, sinceramente, aqui dentro nós estamos seguros.

Você é a minha casa. É pra onde eu vou toda vez que fujo dessa realidade louca que precisamos lidar diariamente. É pra onde eu fujo toda vez que me sinto mal. E com isso, momo, entenda: eu não posso fugir de você nunca. Você é sempre meu objetivo, meu caminho, meu fim. Quando eu brigo, quando eu me sinto mal, é porque no fundo tô sentindo sua falta e precisando que a gente seja quem sempre fomos: um casal que, apesar de diferente, não consegue ficar sequer um minuto sem saber que o outro sabe que é amado.

Porque sim, momo, nosso amor dá sentido à tudo que ficou mal explicado. Nosso amor é vida. Nossa vida.

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s